Monza Clube

Patrocinadores Classificados Agenda de Eventos Novidades Imprensa Notícias GM Facebook

..

..
Quatro Rodas

A reportagem a seguir foi cedida e autorizada pela revista "Quatro Rodas" para publicação exclusiva no Monza Clube. Aproveite para visitar o site da revista clicando na imagem ao lado.

..

Ultrapassados, mas bons de briga

(Edição nº 429, abril de 1996)

Esses sedãs respondem aos boatos de que sairão de linha com bons números de vendas. O motivo do sucesso? A ótima relação custo/benefício

MONZA GLS 2.0 EFI

.Lançamento no Brasil: 1982
.Unidades vendidas: 846.725
.(1982 a 1995)
.Remodelações: 1 (em 1991)
.Garantia: 24 meses
(ou 50 mil km)
........

SANTANA GLI 2000

.Lançamento no Brasil: 1984
.Unidades vendidas: 317.774
.(1992 a 1995)
.Remodelações: 1 (em 1991)
.Garantia: 12 meses
(sem limite km)

.

VERSAILLES GL 2.0i

.Lançamento no Brasil: 1991
.Unidades vendidas: 55.265
.(1991 a 1995)
.Remodelações: nenhuma
.Garantia: 12 meses
(sem limite km)
........

TEMPRA 2.0 i.e.

.Lançamento no Brasil: 1992
.Unidades vendidas: 134.557
.(1992 a 1995)
.Remodelações: nenhuma
.Garantia: 12 meses
(sem limite km)

Monza, Santana, Tempra e Versailles não são, exatamente, a última palavra em tecnologia automobilística. Sofrem a concorrência dos importados, das novidades nacionais e, frequentemente, enfrentam boatos que anunciam suas saídas do mercado. Mesmo assim, somam, juntos, mais de 1,3 milhão de unidades vendidas, no período que vai de seus lançamentos até o final de 1995. Este volume só fica atrás, no ranking, nacional de vendas, dos carros pequenos, como Gol, Uno e Corsa. Quatro Rodas reuniu Monza GLS 2.0 EFI, Santana GLI 2000 e Tempra 2.0 i.e., em um comparativo. E concluiu: o sucesso de público é garantido pela ótima relação custo/benefício que oferecem. O Versailles GL 2.0i não participou do teste de pista porque a Ford não dispunha do carro na ocasião. Mesmo assim, ele foi incluído na análise sobre o mercado dos sedãs.

Nos últimos anos, carros como Monza, Santana, Tempra e Versailles passaram por uma série de melhorias tecnológicas, receberam novos equipamentos (como injeção eletrônica) e tiveram seus preços reduzidos. Comparando-se os preços do Santana em julho de 1994 com os de setembro de 1995, por exemplo, nota-se que o carro ficou 40% mais barato, segundo o gerente de Marketing da Volkswagen. Tudo com o objetivo de sobreviver no mercado. "Se o Santana não tivesse sido aperfeiçoado, não seria tão atraente ao consumidor como ainda é hoje em dia". Mesmo custando (preços de abril de 1996) entre R$ 19.000 (versões mais simples) e R$ 29.000 (as mais luxuosas), Santana, Tempra, Monza e Versailles ainda são opções interessantes para o consumidor. Afinal, nessa mesma faixa de preço, as únicas alternativas são modelos menores, de acabamento mais simples ou com motores de cilindrada inferior, como o coreano Hyundai Accent 1.5 e o nacional Escort XR3 2.0i.

Entre os sedãs comparados, o Monza é o que oferece o maior número de equipamentos de série. De saída, isso faz dele o dono da melhor relação custo/benefício. A seu favor pesa ainda a garantia mais longa. São dois anos ou 50.000 km rodados, diante do prazo de um ano sem limite de quilometragem dado pelos demais. O Tempra, por sua vez, tem o projeto mais atual, com um design de linhas limpas. Poucas mudanças marcaram as versões 1996 dos quatro modelos. O Tempra, entre outros detalhes, teve seus faróis dianteiros e lanternas traseiras reestilizados. Já o Monza recebeu volante redesenhado. Um aparelho de ar-condicionado livre de CFC (o clorofluorcarbono, que afeta a camada de Ozônio) equipa, agora, o Versailles. E o antana passou a contar com novas opções de rádios toca-fitas.

Na pista de testes de Limeira, Monza GLS 2.0 EFI, Santana GLi e Tempra 2.0 i.e. tiveram um comportamento equivalente, como se pode observar pelos números obtidos. O Santana levou ligeira vantagem nos itens de desempenho (acelerou de 0 a 100 km/h em 13s20 e atingiu a velocidade máxima de 185,5 km/h) e na frenagem (vindo a 80 km/h, parou em 29,9 m). Ele apresentou um câmbio fácil de manusear, com engates curtos e rápidos. A suspensão proporcionou conforto, isolando o interior do veículo das irregularidades do piso. Mas falhou em estabilidade. Dos três carros avaliados, o Santana teve a pior aderência (0,88g).

O Tempra ficou com a melhor retomada (de 40 a 100 km/h em 26s9) e a mais alta média de consumo (8,75 km/l). Em dirigibilidade foi imbatível. Sua direção hidráulica ofereceu sempre boas respostas. Conduzir o sedã só não foi uma experiência melhor porque o câmbio não aceitou as mudanças bruscas necessárias para um bom desempenho. Isso explica a pior marca no teste de aceleração (15s02 de 0 a 100 km/h, contra 14s60 do Monza e 13s20 do Santana).

Em relação ao conforto, o Tempra 2.0 i.e. dispõe de um recurso que facilita a vida do usuário: toda vez que se abre a porta do motorista, o vidro desce alguns centímetros, voltando a subir assim que a porta é fechada. Essa operação simples evita a chamada "bolha de ar" no interior do carro, ajudando o fechamento. O Monza não teve destaques em desempenho. Mesmo sendo o mais bem equipado, deixou a desejar em conforto. Os comandos elétricos dos vidros e dos retrovisores, por exemplo, ficam distantes da mão do motorista. E o câmbio, de engates longos, mostrou-se impreciso, dificultando as trocas, principalmente para a terceira marcha.

Os executivos das quatro fábricas são unânimes em afirmar que os índices de satisfação dos clientes em relação aos sedãs beiram os 90%. O futuro destes modelos, entretanto, é incerto. Além da idade avançada da maioria, há a tendência de as marcas globalizarem suas linhas de produtos. O Monza, de 1982, por exemplo, só existe, atualmente, no Brasil. Seu correspondente norte-americano, o Cavalier, já evoluiu uma geração e o Ascona, o clone europeu, saiu de linha para dar lugar ao Vectra. O Santana só é feito aqui e na China, com algumas alterações. E o Versailles existe na Argentina, com o nome de Galaxy. O Tempra será substituído em sua terra natal, a Itália, em 1997. Com isso, surgem as especulações de mudanças.

A Fiat pode muito bem manter o Tempra em linha no Brasil _assim como fez com o Tipo, que também já parou no exterior. Mas sob o risco de contar com um carro ultrapassado diante de concorrentes como o novo Vectra. Esse lançamento, aliás, causará problemas dentro da própria linha Chevrolet, pois até a General Motors admite que o novo Vectra poderá roubar mercado do Monza. "Mas enquanto o Monza mantiver o atual volume de vendas expressivo, acima de 1.000 unidades/mês, permanecerá em produção", desconversa o vice-presidente da GM, André Beer.

A Volkswagen, por sua vez, cogita apenas atualizar o projeto do Santana, a fim de lhe conferir uma sobrevida no mercado. "O carro deve mudar para continuar por mais alguns bons anos". Quanto ao Versailles, seu irmão gêmeo, a Ford garante que o modelo tem pelo menos mais dois anos de vida. "Ele é a única opção da marca no segmento", explica o analista de Marketing da fábrica, Cassio Heinrich. "Por isso, enquanto não tiver um substituto, não poderá sair de linha."

Monza

MONZA - Estreou em 1982; lançamento simultâneo aqui e no exterior. Chegou na versão hatch, mas fez sucesso com a carroceria sedã, de 1983. Foi o carro de passeio mais vendido do país em 1984, 1985 e 1986. Teve versões esportivas, como a 1.8 S/R, de 1985, e luxuosas como a 2.0 Classic, de 1990. Lançado na Europa, com o nome de Ascona, saiu de linha em 1988. Nos EUA, batizado de Cavalier, está uma geração à frente.

Santana

SANTANA - Marcou a entrada da VW no segmento nacional de luxo. Sua primeira versão, de 1984, foi inspirada no Passat alemão de 1980. Possuía motor 1.8 carburado e com câmbio de quatro velocidades. O câmbio equipado com cinco marchas só virou equipamento de série em 1985 e o motor AP 2000, de dois litros, foi incorporado somente em 1988. Em 1991, passou por uma remodelação que lhe deu as feições atuais.

.

Tempra

TEMPRA - Chegou ao Brasil em 1992, com carroceria de quatro portas, e meses depois ganhou a versão cupê, de duas portas, que saiu de linha em 1996. Foi o primeiro carro do país equipado com motor multiválvulas, novidade de 1993. Em 1994, a Fiat apresentou a versão Turbo. Na Europa, foi lançado em 1990, mas foi substituído por um sedã derivado dos novos Bravo/Brava, na linha 1997.

Versailles

VERSAILLES - Fruto da Autolatina, união entre VW e Ford, sua produção está intimamente ligada à do Santana, porque os dois utilizam a mesma plataforma. Não sofreu grandes mudanças, desde o lançamento, em 1991. Em 1995, ele ganhou uma nova grade dianteira, mais identificada com o visual da marca, e pára-choques envolventes. É vendido pela Ford na Argentina com o nome de Galaxy.

Boa hora para comprar

Para o analista de Mercado de Quatro Rodas, Ciro Baumann, adquirir qualquer um dos quatro sedâs mostrados nesta reportagem pode ser uma boa alternativa. "O que o comprador tem de levar em consideração éo uso que pretende fazer do carro. Se desejar um veículo para o dia-a-dia, que ofereça conforto, estará muito bem servido com um desses quatro. Mas se o que ele busca é status, melhor seria optar por um importado, ou, ainda, por outro modelo mais atual." Quanto ao risco de maior desvalorização, Baumann não tem dúvidas: "Hoje em dia, no Brasil, carro não é mais investimento. Atualmente, a depreciação de um veículo é o preço que o proprietário paga por usá-lo", diz. "Carro virou bem de consumo, como ocorre no exterior, nada mais." A vantagem de adquirir um dos quatro sedãs agora é que o consumidor estará pagando pouco pelo que os modelos oferecem. E é isso que tem mantido as vendas destes velhos conhecidos do mercado.

Volante de três raios

MONZA - O volante de três raios, tem novo desenho. Este equipamento é a principal mudança na linha 1996 do sedã. O painel é o mesmo que equipa o carro desde o lançamento.

Novo painel

SANTANA - Reestilizado em 1991, o Santana ganhou um novo painel com contornos arredondados. Dos quatro modelos avaliados, ele é o menos equipado, na versão GLi 2000.

.

Painel remodelado

TEMPRA - O painel do sedã da Fiat foi remodelado na linha 1995, que chegou em abril de 1994. Em 1996 o carro não trouxe grandes alterações. O conjunto é simples, mas completo.

Diferenças nos instrumentos

VERSAILLES - Internamente, o Versailles se diferencia bastante de seu irmão gêmeo, o Santana. As posições do rádio toca-fitas e de alguns instrumentos. coincidem nos dois modelos.

.

EQUIPAMENTOS DE SÉRIE

Monza Santana Tempra Versailles
.alarme antifurto quadrado.gif (41 bytes) quadrado.gif (41 bytes)
.ar-condicionado quadrado.gif (41 bytes)
.banco dianteiro c/ ajuste lombar e altura quadrado.gif (41 bytes)
.banco traseiro c/ encosto de cabeça quadrado.gif (41 bytes)
.e .apoio de braço
.barras de proteção laterais quadrado.gif (41 bytes) quadrado.gif (41 bytes)
.coluna de direção regulável quadrado.gif (41 bytes) quadrado.gif (41 bytes)
.desembaçador c/ ar quente quadrado.gif (41 bytes) quadrado.gif (41 bytes)
.direção hidráulica quadrado.gif (41 bytes) quadrado.gif (41 bytes) quadrado.gif (41 bytes) quadrado.gif (41 bytes)
.espelhos retrovisores externos c/ . quadrado.gif (41 bytes) quadrado.gif (41 bytes)
.regulagem elétrica
.faróis auxiliares quadrado.gif (41 bytes)
.rodas de liga leve quadrado.gif (41 bytes) quadrado.gif (41 bytes)
.sistema de advertência sonora de luzes quadrado.gif (41 bytes)
.ligadas
.travas elétricas nas portas quadrado.gif (41 bytes) quadrado.gif (41 bytes) quadrado.gif (41 bytes)
.vidros c/ acionamento elétrico quadrado.gif (41 bytes) quadrado.gif (41 bytes) quadrado.gif (41 bytes)
.vidros verdes quadrado.gif (41 bytes) quadrado.gif (41 bytes)

.

EQUIPAMENTOS OPCIONAIS (*)

.Monza

Pacote 1 (R$ 25.662,00): rádio toca-fitas e antena elétrica.

.Santana

Pacote 1 (R$ 24.434,00): trava elétrica das portas e ar condicionado.. Pacote 2 (R$ 26.810,00): ar-condicionado, trava elétrica das. portas,.antena no pára-brisa, vidros elétricos, alarme, luz de. advertência de. portas abertas, retrovisores externos elétricos, rádio. toca-fitas e. coluna. de direção regulável.

.Tempra

Pacote 1 (R$ 24.839,45): alarme, banco traseiro com encosto de. cabeça e apoio de braço e vidros verdes. Pacote 2 (R$ 26.957,23):. alarme, banco traseiro com encosto de cabeça e apoio de braço,. vidros. verdes, ar-condicionado, faróis auxiliares e retrovisores. externos. elétricos. Pacote 3 (R$ 27.365,83): alarme, banco traseiro. com. encosto. de cabeça e apoio de braço, vidros verdes,. ar..condicionado,. faróis auxiliares, retrovisores externos elétricos e. rodas de liga-leve.. Pacote 4 (R$ 28.216,73): alarme, banco traseiro. com encosto de. cabeça e apoio de braço, vidros verdes, ar. condicionado, faróis. auxiliares, retrovisores externos elétricos, rodas. de liga-leve,. check. control e rádio toca-fitas. Pacote 5 (R$. 27.834,50): alarme,. banco. traseiro com encosto de cabeça e apoio. de braço, vidros verdes,. ar.condicionado automático, faróis auxiliares. e retrovisores externos. elétricos. Pacote 6 (R$ 28.634,50): alarme,. banco traseiro com encosto. de cabeça e apoio de braço, vidros. verdes, ar-condicionado. automático, faróis auxiliares, retrovisores. externos elétricos, rodas de. liga-leve, check-control e rádio toca-fitas.

.Versailles

Pacote 1 (R$ 25.759,27): rádio toca-fitas, ar-condicionado e antena. elétrica.

* Preços sugeridos pelos fabricantes às concessionárias em 5/3/1995.

MEDIDAS (em metros)

Monza Santana Tempra Versailles
.A 0,95 0,95 0,93 0,95
.B 0,91 0,93 0,93 0,93
.C 0,80 0,70 0,83 0,70
.D 1,09 1,20 1,10 1,20
.E 0,16 0,21 0,24 0,21
.F 2,57 2,55 2,54 2,55
.G 4,50 4,42 4,35 4,42

.

RESULTADOS DOS TESTES (*)

Monza

Santana

Tempra

.Aceleração
.0 a 60 km/h 56,1 m em 5s7 51,1 m em 5s3 59,8 m em 6s1.
.0 a 80 km/h 134,4 m em 9s6 111,9 m em 8s4 136,4 m em 10s0.
.0 a 100 km/h 257,4 m em 14s6 230,0 m em 13s2 261,6 m em 15s0.
.0 a 400 m 114,8 km/h a 19s3 119,3 km/h a 18s7 112,8 km/h a 19s7.
.0 a 1000 m 144,8 km/h a 35s8. 150,1 km/h a 34s5 142,1 km/h a 36s3.
.Retomada
.40 a 60 km/h 139,5 m em 10s0 126,6 m em 9s1 125,7 m em 9s0.
.40 a 80 km/h 324,6 m em 19s6 301,1 m em 18s1 300,3 m em 18s0.
.40 a 100 km/h 563,8 m em 29s1 532,6 m em 27s3 524,5 m em 26s9.
.40 a 120 km/h 890,1 m em 39s8 838,1 m em 37s3 861,5 m em 37s9.
.Veloc. máxima 172,4 km/h 185,5 km/h 176,5 km/h.
.Aderência lateral 0,92g 0,88g 0,93g.
.Frenagem
.60 a 0 km/h 18,6 m 16,8 m 18,5 m.
.80 a 0 km/h 33,2 m 29,9 m 32,9 m.
.100 a 0 km/h 51,9 m 46,7 m 51,5 m.
.Consumo
.Consumo médio 10,28 km/l 10,98 km/l 8,75 km/l.
.Cidade 8,01 km/l 9,26 km/l 7,28 km/l.
.Estrada a 100 km/h 12,82 km/l 12,96 km/l 10,48 km/l.
.Nível de ruído
.Média 65,0 dB(A) 66,3 dB(A) 72,0 dB(A).
.Ponto morto 47,3 dB(A) 47,8 dB(A) 49,1 dB(A).
.60 km/h em 4ª 62,8 dB(A) 63,3 dB(A) 62,4 dB(A).
.80 km/h em 5ª 63,9 dB(A) 66,2 dB(A) 63,7 dB(A).
.100 km/h em 5ª 67,1 dB(A) 67,6 dB(A) 68,3 dB(A).

* O Versailles não participou do teste porque a Ford não dispunha do carro na ocasião.

                              FICHAS TÉCNICAS

Monza Santana Tempra Versailles
.Motor gasolina, dianteiro, transversal, 4 cilindro em linha, 2 válvulas por cilindro, alimentado por injeção eletrônica single-point gasolina, dianteiro, longitudinal, 4 cilindros em linha, 2 válvulas por cilindro, alimentado por injeção eletrônica multipoint gasolina, dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, 2 válvulas por cilindro, alimentado por injeção eletrônica single-point gasolina, dianteiro, longitudinal, 4 cilindros em linha, 2 válvulas por cilindro, alimentado por injeção eletrônica multipoint.
.Diâmetro x curso 86,0 mm x 86,0 mm 82,5 mm x 92,8 mm 84 mm x 90... mm 82,5 mm x 92,8 mm
.Cilindrada 1998 cm3 1994 cm3 1995 cm3 1994 cm3
.Taxa de 9,2:1 10,0:1 9,5:1 10,0:1
.compressão
.Potência 110 cv a 5.600 rpm 112 cv a 5.600 rpm 105 cv a 5.250 rpm 112 cv a 5.600 rpm
.Potência 55,0 cv/litro 56,6 cv/litro 52,6 cv/litro 56,6 cv/litro
.específica
.Torque 16,6 kgfm a 3.200 rpm 17,6 kgfm a 3.000 rpm 16,5 kgfm a 3.000 rpm 17,6 kgfm a 3.000 rpm
.Câmbio mecânico   mecânico mecânico mecânico
tração tração tração tração
dianteira dianteira dianteira dianteira
1ª) 3,58:1 1ª) 3,46:1 1ª) 3,54:1 1ª) 3,46:1
2ª) 1,87:1 2ª) 1,94:1 2ª) 2,23:1 2ª) 1,94:1
3ª) 1,23:1 3ª) 1,28:1 3ª) 1,52:1 3ª) 1,28:1
4ª) 0,92:1 4ª) 0,96:1 4ª) 1,15:1 4ª) 0,96:1
5ª) 0,74:1 5ª) 0,80:1 5ª) 0,87:1 5ª) 0,87:1
ré) 3,33:1 ré) 3,16:1 ré) 3,90:1 ré) 3,16:1
.Carroceria sedã, monobloco, 4 portas, 5 ocupantes sedã, monobloco, 4 portas, 5 ocupantes sedã, monobloco, 4 portas, 5 ocupantes sedã, monobloco, 4 portas, 5 ocupantes
.Tanque 57 litros 72 litros 70 litros 70 litros
.Porta-malas 407 litros 363 litros 413 litros 340 litros
.Peso 1.105 kg 1.100 kg 1.220 kg 1.175 kg
.Peso/potência 10,0 kg/cv 9,8 kg/cv 11,6 kg/cv 10,4 kg/cv
.Suspensão amortecedores hidráulicos, molas helicoidais e barras estabilizadoras. Dianteira: independente McPherson com braços inferiores. Traseira: interdepend., molas do tipo "barril" e barra conjugada de geometria fixa amortecedores hidráulicos pressurizados de dupla ação e molas helicoidais. Dianteira: independente McPherson com suporte tubular e braços triangulares transversais. Traseira: interdepend., com corpo auto estabilizante de perfil em V e braços longitudinais amortecedores hidráulicos de dupla ação, molas helicoidais e barras estabilizadoras. Dianteira: independente McPherson. Traseira: interdepend., com braços inferiores transversais amortecedores hidráulicos pressurizados de dupla ação e molas helicoidais. Dianteira: independente McPherson com suporte tubular e braços triangulares transversais. Traseira: interdepend., com corpo auto estabilizante de perfil em V e braços longitudinais
.Freios hidráulico com hidráulico com hidráulico com hidráulico com
servo freio. servo freio. servo freio. servo freio.
Dianteiro: Dianteiro: Dianteiro: Dianteiro:
disco ventilado disco.ventilado disco ventilado disco ventilado
Traseiro: Traseiro: Traseiro: Traseiro:
tambor tambor tambor tambor
.Direção hidráulica, do tipo pinhão e cremalheira hidráulica, do tipo pinhão e cremalheira hidráulica, do tipo pinhão e cremalheira hidráulica, do tipo pinhão e cremalheira
.Rodas liga-leve 5Jx14 liga-leve 6Jx14 aço estampado 5,5Jx14 aço estampado 6Jx14
.Pneus 185/65 R 14 185/65 R 14 185/65 TR 14 185/65 R 14
.Fabricante General Motors do Brasil S/A Volkswagen do Brasil S/A Fiat Automóveis S/A Ford Brasil S/A

.

O motor do Monza

MONZA - Possui sistema de injeção de combustível single-point, uma importante desvantagem técnica em relação ao Santana e ao Versailles

O motor do Tempra

TEMPRA - Com o motor de 105 cv de potência e pesando 1.220 kg, o Tempra tem a pior relação peso/potência (11,6 kg/cv) entre os quatro concorrentes

.

O motor do Santana

SANTANA - Postos lado a causam causam a mesma impressão. VW Santana e Ford Versailles são equipados com o motor AP 2000 e injeção eletrônica multipoint

O motor do Versailles

VERSAILLES - O motor de 112 cv faz do Versailles (e do Santana) o carro mais potente do comparativo. Se participasse do teste, poderia ter se saído tão bem quanto o Santana

Monza Clube do Brasil - Todos os direitos reservados