21 de agosto de 2004

Na festa do Monza, ele foi o centro das atenções

Exemplar tunado tem pára-choques e capô alongados: nova cara ao fora de linha da GM

Fotos: Filipe Araújo/AE

Dos 394 carros presentes ao 2º Encontro Nacional do Monza Clube, que foi realizado sábado passado em São Paulo, havia Monzas em perfeito estado de conservação e versões especiais  feitas por empresas especializadas na década de 80 como, por exemplo, um Monza 190E com kit da Mercedes 190E.

Em meio aos "monzeiros" mais conservadores, quem fez bastante sucesso foi o publicit´rio Magnum Moreira Valentin, de 22 anos, donos de um Monza GLS 94 equipado com pára-choques personalizados, rodas e pneus esportivos e adesivos estampados na carroceria. "Passei a fazer parte do clube no ano passado e fui bem recebido pela antiga geração dos 'monzeiros'. Já ganhei até troféu de carro mais esportivo", conta Valentin, que ganhou o Monza do pai quando completou 18 anos.

Valentin afirma que queria um carro confortável, com bom espaço interno e motor forte _características facilmente encontradas no sedã da Chevrolet.

O Monza GLS de Valentin é a versão topo de linha, com freios a disco nas quatro rodas, direção hidráulica, ar-condiciondo e motor 2.0 a álcool. Com dez anos de uso, o hodômetro já marca 100 mil quilômetros rodados. "É pouco, com esse carro dá para rodar muito mais", diz Valentin, que usa o veículo todos os dias para trabalhar.

Quando ganhou o carro do pai, o publicitário conta que não demorou muito para personalizar o sedã. Encomendou um kit aerodinâmico exclusivo para o modelo, com entradas de ar nos pára-lamas, além do aerofólio e das rodas esportivas Vaska com aro 15 polegadas, calçadas em pneus Sport Line 195/50.

As portas abrem com um toque de botão, requinte possível graças a um sistema que utiliza controle remoto. As maçanetas das portas e a tampa traseira foram retiradas.

Internamente, o painel do Monza foi pintado e ganhou uma coluna de instrumentos acima do porta-luvas, que ostenta os marcadores de pressão do óleo, voltímetro e vacuômetro.

Os bancos tipo concha são da San Marino, com acabamento de couro. Também não faltam os adereços comuns aos tunados: tapetes de alumínio, acessórios Shutt e neon.

Valentin já gastou quase R$ 15 mil, já que volta e meia troca um pára-choque ou jogo de rodas, bem mais que o valor do carro, estimado em R$ 9.400, segundo pesquisa do InformEstado, responsável pela Bolsa Jornal do Carro.

A receita do Monza

Acessório Preço (R$)
Adesivos laterais 200
Pintura do painel 250
Aerofólio 300
Kit Shutt 400
Relógio e coluna de instrumentos 420
Entrada de ar dos pára-lamas 500
Lanternas personalizadas 500
Capô personalizado 800
Alisamento das portas e traseira 800
Bancos concha San Marino 800
Acabamento de couros dos bancos e das portas 1.000
Kit aerodinâmico 1.000
Rodas Vaska aro 15' e pneus Sport Line 195/50 1.500
Pintura brilhante 2.000
Total 10.470

(Jornal da Tarde - Jornal do Carro)